segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Os Azares da Sofia

Imagens/vídeos:




Informação: Imaginem uma Heidi ou uma Nadia (aquela de Ashite no Nadja), só que com uma personagem principal de moral muito questionável. Imaginaram? Bem, essa é a Sofia. Ou seja…este desenho animado era daqueles para chorar litros. É que a própria Sofia chorava bastante e quase tudo lhe corria mal. Aliás, o genérico tinha uma imagem de grande intensidade dramática: a Sofia a subir umas escadas a correr enquanto chora. Sim, a Sofia tinha “azares”. A começar por, durante uns bons episódios, os seus pais estarem desaparecidos. A bem dizer, a mãe da Sofia, no início, não estava desaparecida, mas parece que a Sofia se perdeu dela a certa altura e ficou “sozinha”. Já o pai parecia um “verdadeiro” desaparecido e havia umas quantas peripécias para o encontrar. Mas tudo corria mal. A Sofia não tinha uma vida fácil, apesar de estar rodeada de pessoas que se vestiam bem; houve uma madrasta que a “adoptou” e que não a tratava muito bem. E os adultos à volta da Sofia castigavam-na várias vezes (mais um litro de lágrimas!). É que ela também não era uma santinha – este assunto está desenvolvido em baixo. Era uma menina que parecia ter tendência para o conflito. É, este desenho animado tinha os curiosos pormenores de ser muito triste e de ter uma personagem principal que não inspirava assim muita compaixão. Acho que o via mais por hábito, porque eu nem sequer gostava da Sofia. Talvez eu fosse demasiado sentencioso com ela. Mas, em retrospectiva, é bastante emocionante.

Inspirado num livro da Condessa de Ségur publicado no século XIX, este desenho animado pertence àquele género a que Nuno Markl tão sagazmente chamou o género Vamos lá pôr a criançada a chorar e os paizinhos que lhes expliquem como é miserável a vida!


Alguns episódios
- Tive a sorte de ver o primeiro episódio deste programa. Não me lembro de tudo, mas lembro-me do pormenor - aliás, “pormaior” - de ser um episódio em que a Sofia fazia asneira mais do que uma vez! Primeiro, zangava-se com o seu amigo (no livro era primo, no programa não sei) Paul a arranhava-o à força toda, deixando-lhe uma ferida bem visível. O Paul, coitado, quis proteger a Sofia para não a castigarem. Vai daí, sabem o que é que ele fez? Atirou-se para dentro de arbustos cheios de espinhos e fingiu que tinha lá caído para justificar o arranhão! O que ele não sabia era que a Sofia o viu a atirar-se para os arbustos e percebeu porque é que ele o tinha feito. Isso deixou a Sofia com um grande sentimento de culpa. Tanto que, mais tarde, ela admitiu aos adultos que, não, aquela ferida não era dos arbustos; tinha sido ela a arranhá-lo. Os adultos perdoaram-na, mas a mensagem subliminar deles, no fundo, foi: “Minha menina, voltas a pisar a linha e não vamos ser nada brandos, é garantido!”. 
A Sofia arrependeu-se novamente...mas nem isso a impediu de meter a pata na poça outra vez! É que houve uma senhora que trouxe uma caixinha com frutos tipo bolo-rei (ou podiam ser só frutos; eu não sabia nada sobre a cultura francesa) e deixou cada criança tirar dois. Eles regalaram-se. Porém, a Sofia entrou à socapa no compartimento onde estavam esses frutos e não resistiu a comer muitos mais. Quando viu o sarilho em que se meteu, disse a si própria que ia contar aos adultos que foi uma ratazana grande e gorda tinha comido aquilo tudo. Mas não aguento e acabou por confessar. E foi castigada a sério. Pois é...mais um dia na vida de Sofia, uma pequena com tendência para fazer asneiras, mas capaz de sentir culpa.


Não...não comas a maçã, Eva...quer dizer, Sofia!


- Certo dia, um homem foi pedir a um daqueles lugares onde se guardam papéis para efeitos de registo (não sei se eram registos de passageiros de transporte ou registos civis ou coisas assim) para procurar pistas sobre o paradeiro do pai da Sofia. Atendeu-o um funcionário que estava convencido que ia encontrar o nome do pai, mas de cada vez que ele olhava para um papel, concluía que não, não estava ali nada útil. A certa altura, o funcionário largou os papéis e pegou no casaco. O homem perguntou-lhe o que se passava e o funcionário respondeu: “Está na hora de fechar.”. O homem protestou, dizendo que não tinham avançado nada. O funcionário disse ah e tal, volte outro dia. Ainda hoje me lembro de como torci o nariz a esse funcionário. Não tanto por ele ir embora na hora certa - não o censuro por isso - mas sim por ele ter pegado no casaco assim de repente, sem sequer dizer ao homem que tinha de ir embora e pedir-lhe logo que voltasse outro dia. Achei que era uma questão de cortesia...mas talvez o tenha julgado com pouca justiça. Quem sabe...

- Num episódio em que a Sofia já vivia com a madrasta, a pequena lamentava a fome que tinha ao longo do dia por a madrasta controlar severamente o (pouco) que ela comia diariamente. Note-se que isto não é coisa pouca: a madrasta chegava ao ponto de não a deixar a famosa refeição importante do dia, o pequeno-almoço! Adiante...uma criança amiga da Sofia ofereceu-lhe biscoitos e, enquanto a Sofia comia, comentou que não gostava da madrasta de Sofia e que ela era má “como um ogre!”. As amigas sugeriram que ela tivesse mais calma com as palavras, mas a pequena mal o fez. Ela e a Sofia eram muito próximas.

Uma(s) voz(es): ?

Uma(s) personagem(ns): Paul; Sofia

Genérico: Instrumental

13 comentários:

  1. Olá! Queria-te pedir um favor.
    Conheces um filme chamado "Rock*a*Doodle", acho que era um filme interessante para pôres aqui no teu blog. Quase ninguém se lembra dele. Mas não é isso que te venho pedir; será que era possível identificares-me as vozes das personagens do filme? Eu tenho alguns clips do filme mas não faço a mínima dos nomes dos actores. Bem... eu reconheço as vozes mas eu não sou um expert em identificar vozes. xD Se pudesses, era uma grande ajuda. Obrigado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora viva! :) É assim, eu também não sou "expert", mas tenho algum treino, lá isso tenho!

      Não tens um link com as vozes portuguesas desse Rock*a*Doodle? É que eu não conheço e não sei bem onde encontrar...

      Eliminar
    2. Bem, eu pus um vídeo no YouTube da música principal do filme. Está aqui: https://www.youtube.com/watch?v=1AqUSLKSxAE. Por agora, fico contente por saber só as vozes que estão neste vídeo. Sabes quem faz a voz do Defim (cantor principal), de Narrador (que também faz a voz do cão Patusco) e das galinhas? Eu na descrição do vídeo pus algumas das vozes que me parecem ser elas. Que são a Fernanda Figueiredo e a Cristina Cavalinhos, mas não tenho a certeza! Podias também ver se essas vozes estão certas? A sério, muito obrigado! :))

      Eliminar
    3. Obrigado pelo link, vou ouvir e ver o que posso concluir.

      Eliminar
    4. Ok, aqui está o que conluí:

      A voz mais clara aqui é, sem dúvida, a de Paulo Espírito Santo, que canta o genérico. Aliás, esse ator canta muitos genéricos, como o do Bandolero (só para citar exemplo). Se é ele que dá voz a Delfim - acredito que seja -, então o Delfim é Paulo Espírito Santo.

      Quanto às galinhas, a 2ª e a 3ª são mesmo Cristina Cavalinhos; essa atriz já fez muitas vozes assim. Acho é que deves ficar na dúvida quanto a Fernanda Figueiredo; a 1ª e 4ª galinha soam mais como Isabel Ribas. É difícil ter a certeza por este vídeo, mas o timbre acho que denuncia.

      Espero ter ajudado. :)

      Eliminar
    5. A sério, muito obrigado! Eu não tinha a certeza se a Fernanda Figueiredo dava a voz ou não.. Aliás, eu acho que no filme, ela dá a voz à Dora (ou Goldie, na versão original), que é a namorada do Delfim. Por isso assumi que ela também desse a voz a algumas personagens secundárias. Mas não tinha a certeza..
      E a voz do narrador (que também dá a voz ao cão Patusco (Patou, no original)), não a reconheces?

      Eliminar
    6. Eu não falei do narrador nem do cão porque estou mesmo a zeros em relação a eles; a voz não me "ringa" nenhum "bell" aqui na cabeça. Há uma possibilidade pequena de ser Carlos Vieira de Almeida, mas mesmo assim duvido seriamente. E uma possibilidade ainda mais pequena de ser Canto e Castro - isto sugeriu-me uma contemporânea desse ator - mas, se fosse para apostar dinheiro, eu só apostava em Santo, Cavalinhos e Ribas; mais não. Senão ainda saía falido...:P

      Eliminar
    7. Realmente faz lembrar a voz de Canto e Castro, mas também não me parece que seja ele. E sim, talvez seja a voz de Carlos Vieira d'Alemeida. Ele não dá a voz ao Yao da Mulan? É que as vozes até são bastante parecidas, mas a voz do Cão parece um pouco mais rouca e mais deep/heavy. Por isso, também não tenho a certeza. Btw, adorei o aportoguesamento da expressão "ring a bell". xD Mais uma vez, obrigado!

      Eliminar
    8. Sim, era Carlos Vieira de Almeida que dava voz a Yao, "o rei da pedra". Bons tempos, hehe...

      Não tens de quê. Aparece quando quiseres...e traz mais visitantes! :D

      Eliminar
  2. Estou à anos a tentar encontrar episódios desta serie em português ou em espanhol, tennho ainda alguns gravados em cassetes mas muito poucos :/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se tens isto gravado em cassetes, tens na mão uma preciosidade! :D Se todas as cassestes couberem numa só mão, claro...mas enfim, é como eu com as minhas cassetes da Rua Sésamo com a dobragem da Somnorte: são relíquias de que convém cuidar.

      Naturalmente, desta série, não é muito difícil encontrar episódios em francês, mas línguas ibéricas realmente é mais difícil. Isto deve ser bem charmoso em espanhol...

      Eliminar
  3. Adorava essa série, vi na RTP a versão portuguesa, em 2001 ou 2002, acho eu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não adorava particularmente, achava-a um pouco forte. Mas era criança e queria ver "bonecos", por isso o que vinha à rede era peixe. Curiosamente, agora gosto mais.

      Se tiver sido em 2001 ou 2002, foi por volta dos tempos do Yamazaki. Se foi, bons tempos esses para se ver desenhos animados.

      Eliminar